domingo, 29 de abril de 2007

Ave Franklin! Por BruneLLa Wyvern.

Mais uma da série sem medo de polêmica...


Homossexualismo: respeito e preconceito às diferenças

Gays, lésbicas e simpatizantes. O respeito aos homossexuais e aos seus direitos perfaz um efeito imediato na vida dessas pessoas, além de inocular na sociedade uma preocupação crescente em respeitar as diferenças. Afinal, a causa gay mexe com valores, conceitos, direitos e sentimentos, provocando mudanças cada vez mais rápidas nas estruturas e nas relações sociais.

Em 2004, o Vaticano lançou uma campanha mundial contra a união civil entre pessoas do mesmo sexo, chegando a pedir a políticos católicos de todo o mundo que se pronunciassem de forma “clara e incisiva” contra as leis que favorecem o casamento gay. Nos Estados Unidos, o pedido da Igreja Católica virou bandeira eleitoral de George W. Bush. Em campanha pela reeleição, o presidente estadunidense posou como o defensor da família e da moral.

Os movimentos organizados por gays e simpatizantes, porém, vem crescendo bastante. O número de participantes em paradas de todo mundo bate recordes sucessivos. Nota-se uma presença cada vez maior de não-gays apoiando a luta dos grupos GLS pela igualdade de direitos. Em alguns países, como Argentina, Espanha e Holanda, o matrimônio homossexual é permitido por lei. Aliás, os homossexuais holandeses e espanhóis também têm direito a adotar crianças, desde que tenham uma união estável.

Seguindo esses exemplos, existem outras nações com a intenção de conceder o reconhecimento legal às uniões homossexuais. Dentro dos EUA, em Estados governados por políticos da ala democrata, mais liberais, o casamento civil de gays já é legalizado. No Brasil, onde a legislação não é das mais avançadas, os gays registram algumas conquistas. O caso mais famoso foi a decisão judicial favorável a Maria Eugênia para ficar com a guarda de Chicão, filho de Cássia Eller. A cantora, falecida em dezembro de 2001, viveu com a companheira durante catorze anos. A decisão da Justiça carioca contou ainda com o apoio quase unânime da sociedade brasileira.

Nesse contexto, podemos afirmar que o panorama se tornou menos hostil aos gays em função de uma série de conquistas em vários países, malgrado o preconceito. Isso devido à luta dos próprios gays. Há de se observar ainda que evoluiu a conceituação e se eliminaram alguns empecilhos. Assumir a homossexualidade, todavia, continua difícil.

13 comentários:

Amanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amanda disse...

Srta. BruneLLA...

Genial! Muito bom mesmo o texto. De fato, os homossexuais tem conquistado cada vez mais o seu espaço.
É obvio o porquê de tantas pessoas ainda negarem ou esconderem sua sexualidade. A sociedade funciona como um mecanismo cruel, apontando e rotulando as pessoas como mercadorias, separando e excluindo os produtos "defeituosos".
Mas tenho certeza de que, um dia, essa será uma realidade obsoleta. O mundo mudou muito nas ultimas décadas e este processo de mudança tem acelerado cada vez mais.
Por enquanto, a única preocupação que deve-se ter é com relação ao preconceito, que é inaceitável e deve ser punido.

Gostei de verdade! Parabéns pela matéria.

BruneLLa França disse...

Srta. Amanda...
Que você esteja certa com relação ao futuro... Pelo que podemos ler no mundo hoje, o caminho parece ser esse mesmo...
E o preconceito, não apenas contra homossexuais, deve ser punido!!!
Ninguém está pedidno para aceitar nada, mas respeitar sempre!

rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
rafael disse...

Esse assunto é mais abrangente do que a gente imagina.

Certamente, qualquer tipo de desrespeito a quem quer que seja é mal.

E, se nós defendemos o ser humano, a vida, não podemos ser omissos diante da deterioração de uma pessoa desprovida de saúde, seja física, seja psicossomática (da mente/espírito).

Sim, é por isso que nós defendemos os princípios básicos e fundamentais da vida/bio, da família - origem e formação do ser humano, fruto do casamento de genes de um ser masculino e de um ser feminino (relação pai-mãe: filho).

Ao lidarmos com usuários de drogas, pessoas com fobias/síndromes, com vícios diversos, por exemplo, precisamos nos dispor em favor de sua saúde. Um grave erro é criticarmos sua conduta, evitarmos qualquer relacionamento/conversa, admitirmos estereótipos/preconceitos ao invés de buscar a sua Cura.

Amar é ouvir, cuidar, não se conformar com o mal; é manifestar o bem.

O bem de todos é também o bem de um, mas o bem só de um pode ser o bem de ninguém.

Abraços,
Rafael de Assis

BruneLLa França disse...

Eu continuo no discurso: RESPEITO ÀS DIFERENÇAS!!!

Anônimo disse...

pois eh,... concordo!
mas vcs não me respeitaram nenhum pouco viu?!
Eu, vulgo 39, fui humilhado, pisoteado e difamada por algumas senhoritas comunicólogas "/
Tive que até disfarçar um pouco ficando com uma loirinha aí do 2ºperíodo, acho q ela até escreve no blog, naum tenho certeza =P
repito com + veemencia: RESPEITO AS DIFERENÇAS P#*%&*!!!

BruneLLa França disse...

vulgo 39 saiba q o objetivo maior de nossa investigação - CASO PROPORÇÃO - era justamente dar maior liberdade p a manifestação das diferenças.
e, por problemas não cabem a mim julgar, fomos forçadas a continuar a investigação em off.
isso mesmo, as investigações continuam. Afinal, somos AS BERNADETTES... e nossa descrição já diz tudo:
Mais Poderosas que As Panteras...
Mais Eficintes que As Espiãs...
Mais Perigosas que A Máfia Italiana...
Mas Bernadette que é Bernadette respeita às diferenças sim... até porque nós seis somos extremamente diferentes! E ao invés de nos separarmos por causa disso, foi um traço de união do grupo.

Simone Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
§ Xena § Warrior ^Toque De Anjo^ disse...

Com certeza....BruneLLa !!!
Cada vez mais os homossexuais têm estado em nossa sociedade!
Ainda existe muito preconceito e,infelizmente,sempre existirá.
O ser humano é visto como perfeito e ele não estando em uma das condições "normais" é excluido e vaiado.
Um bom exemplo para o preconceito,é os pais.
Muitos dizem "não fiz meu/minha filho(a) para ser isso"
Os pais criam seus filhos com o objetivo de serem iguais á eles ou até melhores.
Sempre dizem "Faço isto para seu bem"
Bem???o bem de estar forçando o seu filho a seguir algo que não quer?que não aprecia?
Isso não é "bem" e sim,uma tentativa de querer que seu filho seja algo que não quer.
Todos amamos,sentimos dor e choramos....somos capazes de errar e com estes erros,aprender algo de bom.
Assim,também,é um homossexual....tem sentimentos como qualquer outro ser humano.
O preconceito,deve ser punido!

BruneLLa França disse...

Toque de Anjo, a relação com a família é realmente uma das mais complicadas para muitas/muitos homossexuais na hora de "se assumir".
As expectativas criadas em cima de um filho/filha são grandes. E nem todos os pais/familiares estão preparados para isso.
Digo isso porque ser gay ou lésbica não é visto com normalidade em nossa sociedade (e ainda somos avançados- tá bom!).
Existem aqueles - o cúmulo do absurdo - que levam os filhos/filhas para fazer algum tipo de tratamento psicológico ou psiquiátrico, considerando o homossexualismo como uma doença, alguma coisa que pode ser mudada em uma pessoa!
Quanta ignorância!!!
Reforço: ninguém está pedindo para ser aceito, mas para ser respeitado!

§ Xena § ^Toque De Anjo^ disse...

Concordo plenamente!!!
a família põe isso como se fosse uma doença...
e quando temos amigos,eles acham que isso é contagioso e querem nos afastar.
Falo por experiência própria,até fui levada ao psicólogo...mas acha que fui submitida a algo?
Vi que ela era casada,então falei..
"A senhora está com seu marido porque ele tem sentimentos bons ou pelo que ele tem entre as pernas?"
Disse exatamente com estas palavras,aí ela falou que era por sentimentos.
Então,aí esta matada a charada!!!!!!!!!!!!

BruneLLa França disse...

o.O
Bem direta, vc, non, Toque de Anjo?!
se isso acontecesse comigo, acho q faria a mesma coisa, mas non com as mesmas palavras...
hehehehehe!