sábado, 28 de julho de 2007

A Venenosa por Simone Azevedo

O PAN do Brasil

Enquanto os jogos olímpicos Pan americanos do Rio rendem muitas medalhas de ouro para os atletas brasileiros, o Pandemônio nacional rende muito ouro, prata, bronze, cédulas, cheques e contas em paraísos fiscais para os atletas da política.
O incrível malabarista Renan Calheiros (PMDB-AL) levou o ouro e todo o dinheiro na modalidade lavagem de dinheiro e tráfico de influência. É do Brasil sil sil sil sil sil!
ACM Neto levou ouro na modalidade revezamento de curral eleitoral, na qual disputou em parceria com seu falecido avô, o atleta Toninho Malvadeza. Toninho passou a bola, digo o curral, e ACM Neto levou o ouro. É do Brasil sil sil sil sil sil!
Ouro também para Waldir Pires na modalidade péssima administração dos órgãos responsáveis pela aviação nacional. Apagão Aéreo, o caos nos aeroportos e toda a bagunça na aviação brasileira é só uma pequena mostra do histórico da carreira fabulosa desse atleta fenomenal. É do Brasil sil sil sil sil sil!
Ouro para Marta Suplicy na categoria descaso com os problemas nacionais. Ela foi a atleta que melhor revelou publicamente o seu excepcional desempenho nessa categoria com a declaração de que o segredo para sua vitória é “relaxar e gozar”. Ouro para Marta. Ela é do Brasil!
Ouro para o presidente da Anac, Milton Zuanazzi na modalidade melhor depoimento cínico dos últimos tempos do Congresso (e a concorrência é enorme! Eita disputa acirrada). O atleta afirmou que as críticas contra o seu desempenho “são injustas e desumanas”. O que são os 200 corpos de Congonhas? Ele é modesto. Atleta de talento e tão modesto! Se não bastasse a tragédia em São Paulo, há uma reportagem de Rosa Costa, de O Estado, mostrando que a Anac aceitou pedido da TAM de reduzir as sessões de treinamento dos pilotos em simulador de vôo de três modelos de Airbus - entre os quais o A320. Ouro para o Miltinho zuador. É do Brasil sil sil sil sil sil!
Na modalidade rapidez e velocidade, o ouro vai para a Polícia Federal. Ela merece! Quase oito anos depois, ela informou ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, que recursos de origem pública e privada, não declarados à Justiça Eleitoral, foram usados na campanha do hoje senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) em 1998, quando ele tentou se reeleger governador de Minas Gerais, informa a Folha. Uau! É ouro para o Brasil!
Ha ha, hu hu, o Pandemônio é nosso!
Brasil sil sil sil sil sil sil sil!

4 comentários:

Simone Azevedo disse...

Essa coluna é oferecida a Brunella por seu retorno ao Jota-i.

UXI disse...

Pronto mone estou aqui a comentar outro texto de sua autoria,que cada vez mais parece com você,este pan acontece justamente em um momento em que o gorveno se encontrava sob a mira da midia,que como sabemos estava espondo as maselas da politica do nosso país,sendo a pan um ótimo contra tempo para a opinião pública,mas não se deixe enganar com as aparencias hoje o Renan Calheiros esta sendo a bucha de canhão.Eu estava lendo o jonal do sindicato e nele encrotrei um artigo sobre a peça teatral "O inimigo do povo",que descorre sobre esses temas tão intrigantes como politicagem e lobismo que tanto acontece com este sitema.Esta bom ou não mone?Você merece.Bjos.

BruneLLa França disse...

"Os políticos, pelo mesmo motivo que as fraldas, têm que ser trocados constantemente".

Ana Carolina - ela é tudo, sei do que falando, eu vi de perto - durante seu show citando frase que ouviu no filme "O homem do ano", de Barry Levinson.

BruneLLa França disse...

Simone, eu AMEI a coluna!
Acho q ue os leitores tbm!
Vc é maravilhosa!!!
Obrigada!!!

AVE SIMONE!
**reverencia**