quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Quero Ser Miriam Leitão, por Sylvia Ruth

Há quem diga...

Comentando a vitória de Tropa de Elite no Festival de Cinema de Berlim, o cineasta grego Constantin Costa-Gavra (a quem o diretor José Padilha agradeceu ao receber o prêmio) afirmou que a vitória de Tropa não foi unânime. O povo de lá não gostou muito do excesso de diálogos, eles preferiam ação. Em resposta, Costa-Gavra soltou: “o medo das palavras é típico de pessoas que não querem pensar”. Forte.


Qualquer semelhança não é mera coincidência

Parece que as coisas no Banco Central andam indo mais bem do que a gente imagina. Tão bem a ponto do ocupadíssimo (e carequíssimo) presidente do BC, Henrique Meirelles gastar um pouco do seu pobre tempo livre lendo o Jota-i. Mais exatamente o que a pessoa que vos fala escreveu na semana passada. Veja só o que o digníssimo disse nessa segunda-feira:

“O Brasil não desperdiçou o período de bonança e se preparou para uma possível deterioração global” proferiu Henrique Copião Meirelles, presidente do Banco Central.

Duvidam?

http://www.estadao.com.br/economia/not_eco126572,0.htm
http://www.joelmirbeting.com.br/noticias1.asp?IDgNews=5

E o que a pessoa que vos fala disse?

“O país se aproveitou muito bem do cenário positivíssimo lá de fora e botou pra quebrar nos bons índices. (...) Sorte do Brasil, que se aproveitou muito bem quando podia”.

A cá ó:

http://jota-i.blogspot.com/2008/02/quero-ser-miriam-leito-por-sylvia-ruth.html


Mais

morreu morre morte burrice jornalismo shopping


Brincando com a morte
Eu não devia ver essas coisas, mas acabo vendo, e aí eu não me seguro. Depois das cordas vogais, vem o morre a morte.

Brincando com a morte II
Lindsay Lohan, estrelinha mal acabada de Hollywood que flerta constantemente com álcool e outras drogas (além de filminhos juvenis), decidiu brincar ainda mais com a morte (ou com a vida) e tirou fotos do jeito que veio ao mundo iguazinhas as que Marilyn Monroe tirou semanas antes de morrer.

Não preciso dizer da intimidade de Marilyn com drogas e álcool. Mas sem entrar no mérito da qualidade das duas colegas de profissão, Landsay dá sinais de que, se morrer, quer ser relacionada não à imagem de Britney Spears, sua colega contemporânea, mas à estrela que morreu porque exagerou no Gardenal.


Aliás
Para quem está afim de apostar, Britney, nosso bode expiatório dos últimos meses, se não morre este ano, morre ano que vem. A ex-princesinha do pop faz 27 anos em dezembro. Então, preparem os modelitos cor-de-velório, os óculos escuros e os lencinhos brancos.

Por esta semana chega. Semana que vem a gente se vê. Esteja vivo até lá.

Um comentário:

BruneLLa França disse...

_O_

ohooooooooooo
mas não é hoje q a pessoa q vos fala da coluna anda bem dentro da agenda de economia... antes foi boechart, agora o presidewnte do BC...

tem gnt fazendo carreira com o blog
é isso aew!

AVE SYLVIA!!!


a propósito, eu amei a frase do cineasta grego...