segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Ave Franklin. Por BruneLLa França.

Quarto Poder, Conselho Federal de Jornalismo, blogosfera, um toque de futurologia e outras coisinhas mais

200 Anos de Imprensa no Brasil. Quase 200 no Espírito Santo. Para comemorar a data, um fórum com o objetivo de discutir comunicação. A iniciativa é muito boa, visto que a comunicação tem que ser discutida sim. Mas quando o debate é puxado pela maior empresa de comunicação do Estado, aí, óbvio, as coisas ficam mais parciais que de costume (se alguém ainda vier com aquele discurso de ‘imparcialidade’ da imprensa eu corto relações!).

Na primeira palestra, ouvimos o jornalista José Casado, de O Globo. A fala dele foi, desde o início, construindo a imprensa como a guardiã da democracia. Casado deu exemplos de casos como o do correspondente do New York Times, Larry Rother, que foi ameaçado de expulsão do País por uma matéria na qual ressaltava o gosto do presidente Lula por bebidas. A frase mais usada pelo jornalista durante sua fala foi: “A democracia não está integralmente consolidada no Brasil”. Para Casado, falta respaldar a democracia com a irrestrita liberdade de expressão.

Não cometerei a hipocrisia de dizer que sim, nós vivemos na democracia plena. Mas também não posso embarcar nessa defesa quase cega de que a imprensa é um dos pilares da democracia. Primeiro, há de diferenciar aqui duas liberdades que são usadas como sinônimos e não são. Liberdade de expressão é uma e liberdade de imprensa é outra.

A liberdade de se expressar é um direito personalíssimo, ou seja, individual e intransferível, pelo qual todos e todas têm direito, sempre respeitando a Constituição Federal (regrinhas básicas de convivência, como não caluniar, não difamar e não injuriar o próximo, nem fazer acusação sem provas estão descritas lá; quem quiser se arriscar, que arque com as conseqüências). Já a liberdade de imprensa está atrelada ao direito à informação, que também é um direito de todos e de todas.

Deixando esses pontos bem esclarecidos, podemos prosseguir. Lá pelo final da fala de Casado, foi aberta ao público a oportunidade de fazer perguntas. Uma delas questionava a posição do jornalista em relação à criação do Conselho Federal de Jornalismo. Não acredito que alguém que acompanhou toda a palestra dele pudesse ter dúvidas de que ele se pronunciaria contra.

Lembram-se da emblemática frase do Ministro da Propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels, "uma mentira contada mil vezes torna-se verdade"? Ela cabe bem no que eu quero expor aqui. A imprensa se auto-determinou o Quarto Poder. Produziu discursos que criam essa sensação e é defendida como tal. Acontece que a imprensa – e os jornalistas que dão corpo a ela, em sua maioria – tanto fizeram para passar o discurso que acabaram acreditando nele. E eis o problema!

Na República, o regime democrático vigente no Brasil hoje, temos os três poderes. E eles não vieram do nada. A Teoria dos Três Poderes foi consagrada pelo pensador iluminista francês Montesquieu. Baseando-se na obra Política, do filósofo grego Aristóteles, e na obra Segundo Tratado do Governo Civil, publicada pelo inglês John Locke, Montesquieu escreveu sua obra, O Espírito das Leis, traçando parâmetros fundamentais da organização política liberal adotada pelo Ocidente (é sempre bom situar o contexto tratado).

Montesquieu foi o responsável por explicar, sistematizar e ampliar a divisão dos poderes que fora anteriormente estabelecida por Locke. Pela obra do filósofo, é fundamental estabelecer a autonomia e os limites de cada poder. Criou-se, assim, o sistema de freios e contrapesos, o qual consiste na contenção do poder pelo poder, ou seja, cada poder deve ser autônomo e exercer determinada função, porém o exercício desta função deve ser fiscalizado pelos outros poderes. Assim, pode-se dizer que os poderes são independentes, porém harmônicos entre si.

Muito bem. Muito bonito. E onde entra a imprensa nisso aí. Entra e não entra. O Quarto Poder, como está hoje, não é fiscalizada por nenhum outro poder. Qualquer tentativa – não de fiscalizar, mas de regulamentar, como é a idéia do Conselho – é rechaçada sob a alegação de censura. A imprensa se coloca como um dos pilares da democracia sem ser, todavia, democrática. O auto-entitulado Quarto Poder se coloca e acredita estar acima de todos os outros e assim quer permanecer (ou alguém ainda acredita que o jornalismo hoje faz revolução? É muito mais fácil trabalhar para manter o status quo).

Após a fala de José Casado, tivemos uma mesa redonda sobre o futuro da imprensa. Compunham a mesa o professor doutor do curso de comunicação da Ufes, José Antônio Martinuzzo; a secretária de comunicação de Vitória, Ruth Reis; o diretor de telejornalismo da rede Gazeta, Carlos Tourinho e, como moderador, o diretor de redação de A Gazeta e Notícia Agora, Carlos Antônio Leite.

É claro que o tema principal foi a convergência de mídias, as mudanças que a internet está trazendo – sim, é no gerúndio mesmo! – para o campo da comunicação, as possibilidades e os desafios desse novo meio. Sempre cauteloso, o professor Martinuzzo puxou a reflexão lembrando que nós vivemos hoje o futuro do passado, damos os passos que alguém pensou bem antes de nós. Assim, fica mais fácil desenhar possíveis cenários, flexíveis sempre, porque a tecnologia avança cada vez mais rápido.

E foi aí que chegamos à blogosfera. Blogueiro é jornalista ou não é jornalista? A resposta aqui é bem clara – vou até usar o caps lock – NÃO, BLOGUEIRO NÃO É JORNALISTA. Antes que me chamem de puritana radical, continuem lendo, por favor. Blogueiro não é jornalista simplesmente porque blogueiro não é uma profissão, não vem de uma ciência, não é um saber-fazer. Blogueiro é aquele ou aquela que tem blog. Então blogueiro pode ser jornalista? Se o blog é de um jornalista, sim. Se não é, dificilmente.

Fato: o mundo não cabe na imprensa, no jornal (Oooooooooooooh! Pois é, sinto muito se o seu mundo caiu e a casinha do Bob também!). O jornal é um recorte, um ângulo de visão, um simulacro de realidade. Agora o mundo cabe na internet. É claro que se eu quero uma informação sobre uma banda eu terei muito mais num site ou num blog do próprio artista ou de um fã do que na imprensa. Motivo óbvio: o artista e o fã tem muito mais informações a respeito do trabalho dele do que o jornalista de um caderno de cultura e entretenimento por aí.

Agora, se eu quero saber alguma coisa sobre economia ou política, também posso procurar blogs de pessoas que escrevam sobre o assunto. Aqui vem uma coisinha chamada credibilidade (construída pela imprensa com aquele discurso furado de objetividade, neutralidade e imparcilaidade – mas foi tão bem feito que colou, fazer o que?!).

Sim, eu sei que o discurso jornalístico exerce uma grande influência na constituição da experiência coletiva de um real cotidiano. Sei também que o simples fato de um acontecimento estar inserido ou não no campo dos discursos jornalísticos implica em que faça parte ou não do repertório de atualidade do público. Resumindo, eu sei que o discurso jornalístico tem autoridade na sociedade (democrática ocidental, é bom deixar claro).

Mas isso não impede ninguém de querer – e poder – construir o seu próprio discurso, a sua própria mídia, a sua própria verdade no espaço blog. Será que só porque não é um jornalista – ou pretenso jornalista – postando aquilo que ali se escreve é uma deliciosa viagem na maionese? Mesmo em se tratando de campos que requerem um grau de análise e conhecimento maior, como a economia e a política?

Se vivemos partilhando um mesmo contexto, se vivemos todos num mundo capitalista, se somos todos seres pensantes, por que só quem está autorizado a falar, só quem tem credibilidade é o jornalista? Por que a sociedade assim determinou? Ou por que a imprensa assim determinou? (Lembram da discussão sobre o Quarto Poder mais acima? A-ha!)

Aqui podemos inserir a pausa para o coffee break. Após o debate, tivemos mais uma palestra, desta vez sobre assessoria de imprensa no mundo contemporâneo. Mas nada que os alunos de Martinuzzo já não tenham ouvido em aula. A palestrante só usou uma série de termos estrangeiros, dificultando a compreensão de todos e todas, ou seja, dificultando a comunicação (que coisa, não?)!

Eu só acrescentaria aqui o significado de stakeholders – quando a palestrante falou sobre isso, eu vi muita gente com mais cara de paisagem que nas outras palavras. Stakeholders – simplificando (é o espírito jornalístico!) – são os grupos de influência de uma organização.

Bem, o objetivo deste texto é fomentar o debate acerca de tudo que aqui foi abordado. Então, agora é a sua vez. Gritem, esperneiem, esbravejem nos comentários. Divirtam-se!



9 comentários:

Pétala disse...

Bru, eu sempre acompanho seus textos... Tanto as análises quanto os textos literários - que eu amo³. E mesmo acompanhando você, eu ainda me surpreendo com a sua crítica divertida e irônica. Adoro o jeito que você escreve, colocando a gente dentro do texto. É divertido!
Eu, que nem sou da área de jornalismo - você bem sabe -, cheguei aqui, comecei a ler e não consegui não ir até o final.
Existe uma teia invisível nos textos que prende do início ao fim. É muito bom de ler!
Sobre essa coisa de poder, eu sei - e sei que você sabe - que o poder sobe à cabeça. Acho que foi isso que aconteceu com os donos da imprensa - posso falar assim? Existem donos da imprensa?
Bem, e quanto mais poder se tem, mais se quer e se deve querer. Assim ensinou Maquiavel.
Não sou nada pra querer falar do assunto. Ou melhor, sou. Eu leio jornal e navego em portais de notícia. E também leio blogues.
Eu achei muito boas mesmo as suas colocações aqui.
Parabéns!
beijos
Pet

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Pet, obrigada por você me ler!
Primeiro, respondo a sua pergunto: é mais certo falar em donos de empresas de comunicação, de conglomerados de mídia; nunca ouvi falarem em donos da imprensa...
Uma questão que eu quis colocar com esse texto é que a imprensa, por consguinte, os jornalistas, muitas vezes, esquece do que ela é / do que eles são.
Na fala do jornalista Casado, ele exemplificou uma série feita com a participação dele sobre as mordomias que existem no serviço público. Para falar de como eles conseguiram fazer as matérias, ele usou o termo ESPIONAGEM.
Eu devo dizer que estou no 5º período de jornalismo e até agora não tive nehnhuma disciplina chamada técnicas de espionagem. Eu entendo que apurar uma informação é uma coisa. Espionar para se chegar a ela é outra. Eu não estou preparada para ser espiã em nome da liberdade de imprensa, do direito à informação e, creio, nenhum jornalista está.
Tudo bem que é legal e divertido bancar o espião, vem aquele imaginário de 007, mas... Pés na realidade sempre!
A questão aqui é: os fins justificam os meios?
Para mim, não justificam.
Outra questão que eu espero que os leitores tenham depreendido desse texto é que o discurso jornalísitco é só um dos meios de informação. É o canal autorizado? Sim! É o que tem credibilidade? Também, mas não só.
Acho que isso tem que ficar muito claro, especialmente para os jornalistas.
Somos apenas um canal para que as pessoas tenham direito à informação, não o único. É por isso que a internet assusta tanto!

Pétala disse...

Obrigada por me responder Bru! E sou eu quem agradece, guria, por poder te ler!
=D
Espero que mais gente participe desse debate aqui! Promete ser super interessante!!!
beijos²

Rafael disse...

Só para reverberar: realmente, tem gente que confunde (cinicamente, acho eu) liberdade de imprensa com liberdade de empresa.
abraço

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

De fato é preciso cuidado para que a liberdade de imprensa não seja utilizada como manobra para liberdade de empresa!

umquarentao disse...

Apelo em divulgação na internet:
- ÚTEROS ARTIFICIAIS: Uma Investigação Cientifica Prioritária!


Nas Sociedades Tradicionalmente Poligâmicas apenas os machos mais fortes é que possuem filhos.
No entanto, para conseguirem sobreviver, muitas sociedades tiveram necessidade de mobilizar/motivar os machos mais fracos no sentido de eles se interessarem/lutarem pela preservação da sua Identidade.
De facto, analisando o Tabú-Sexo (nas Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas) chegamos à conclusão de que o verdadeiro objectivo do Tabú-Sexo era proceder à integração social dos machos sexualmente mais fracos; Ver http://tabusexo.blogspot.com/.

Com o fim do Tabú-Sexo a percentagem de machos sem filhos aumentou imenso…
As Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas têm de Assumir a sua História!!!
Isto é, estas sociedades não podem continuar a tratar os machos sexualmente mais fracos como sendo o caixote do lixo da sociedade!!!
Isto é, os machos ( dotados de Boa Saúde ) rejeitados pelas fêmeas devem possuir o legítimo Direito de ter acesso a ÚTEROS ARTIFICIAS.


PS
Alarmado com o número muito elevado de solitários, o governo Sérvio quer "importar" 250 mil noivas para solitários...

Paulo Reis disse...

Realmente... nem todo "blog jornalístico" é "jornal".
Acredito sim que as medias hoje devem revelar a vontade do povo e não ficar mais na imparcialidade.
Os blogs muitas vezes não comentam sobre um fato com postura neutra ou de opinião publica, mas sim pessoal.
Acredito que por isso não podem ser chamados de "jornalísticos".
Sem contar que existe estudo e muita dedicação desta classe.
Muito legal este texto!

Ynot Nosirrah disse...

Olá, passei aqui hoje para prestigiar seu trabalho e trazer a paz do Senhor que me foi oferecida na missa do domingo passado.

Feliz Natal.

http://conscienciaacademica.blogspot.com/

Raphael Augusto,o Dândi disse...

Parabéns pelos excelentes textos e pelo blog. Entretanto...
"regrinhas básicas de convivência" não constam do texto constitucional.

Participei do encontro de mídia livre e identifiquei-me com um jornalista que disse ser CONTRA midia livre e a favor da mídia democrática. Faz mais sentido. Mas parabéns pelas críticas contundentes!