sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Quero ser Miriam Leitão, por Sylvia Ruth


Procurando algo que distraia esta mente perturbada
(Eu costumava fazer isso no meu blog pessoal, mas decidi fazer aqui mesmo. Alguém se importa?)

Segunda-feira, dia mundial da realidade, o diário diga o que dizer sobre ele, A Tribuna, estampou na capa e na vergonha da classe média capixaba: as meninas estão se prostituindo para comprar roupa, perfume e, claro, drogas. Uma menina de uma "classe inferior", se se prostitui, é porque não teve "perspectiva", tem uma família retalhada pela gravidez prematura, pela violência, e todos aqueles outros clichês que o caro leitor puder enumerar. Se você der uma casa e um emprego a essa moça, ela já não tem mais um motivo aparente para vender o próprio corpo - guardadas as considerações do funcionário do quinzenal diga o que quiser sobre ele, No Entanto, Túlio Azevedo, de que ela pode ser uma empreendedora nata que vai aproveitar o emprego e o ponto fixo para impulsionar a carreira e montar um bordel.

Mas uma moça, filha dessa classe média mal remediada que aí está, o que fazer com ela? Se a cada verão ela terá mais um biquininho no top da moda para invejar, mais um perfume importado para babar? Ora! Elas ganham mais por semana do que o próprio pai talvez ganhe por mês.

É aí que eu mando rever essa idéia de "situação de risco". Não estariam as adolescentes em risco, com suas famílias de fachada, com pais que se casaram pensando no "felizes para sempre" e se separaram (ou vão se separar) porque "um não entende o outro", infurnadas nas escolas particulares, verdadeiros preparatórios para o matadouro chamado vestibular, que acham que a vida delas pode ser (e será) igual a da mocinha de Malhação?

Daí, minha mente perturbada mas bem intencionada diz "e a dignidade"? É, eu não sou daqui. E pra quem acha que prost(uta) não tem dignidade, vide Bruna Surfistinha, mega escritora que terá sua história contada no cinema. Os testes para protagonizar "O Doce Veneno do Escorpião, the movie", inclusive, já começaram, e é essa a matéria que ilustra a página 1 do Segundo Caderno do jornal diga o que quiser sobre ele, O Globo.

2 comentários:

BruneLLa França disse...

não me importo!

Sérgio disse...

À vontade.
=)

A propósito esse blog, na visão de um simples leitor, tá parecendo cada vez mais um 'blog pessoal dividido por duas senhoritas' (senhoritas que mandam muito bem, a propósito) do que qualquer outra coisa.