quarta-feira, 27 de junho de 2007

Quero ser Miriam Leitão, por Sylvia Ruth

Chega de Saudade

Não, isso não é uma miragem! Não, sua mente perturbada não lhe pregou mais uma peça! Sim, a espertíssima coluna sobre economia do Jota está de volta.

Eu não posso deixar de dizer que depois de muito penar sem internet em casa, estou muito feliz por estar de volta, embora não tenha me preparado devidamente para este dia. Mas vamos andando que logo a gente chega.

Quanto custa a violência

Dia desses, o Ipea divulgou um relatório sobre o custo da violência no Brasil. Me lembrei de um debate na aula de Teorias e Práticas Jornalísticas para Meios Impressos sobre quanto se economizaria se a violência no Brasil fosse, digamos, mais sustentável.

No site do Instituto dá pra ler o documento na íntegra, mas como está em pdf e meu computador está insustentavelmente lerdo, não deu pra eu abrir sem fazê-lo chiar.

A pesquisa revelou que em 2004 o custo da violência no Brasil foi de, pasmem, nada mais nada menos que 92,2 bilhões de brócolis brasileiros, o que representou 5,09% do PIB verde e amarelo, ou um valor por cabeça de R$ 519,40. R$ 28,7 bilhões gastos pelo setor público e R$ 60,3 bilhões de gastos do setor privado. O interessante é que eles falam sobre gastos tangíveis e intangíveis. Pergunta: como calcular o intangível?

As despesas públicas englobam gastos (ou investimentos) com segurança, sistemas prisional e de saúde. Nas despesas do setor privado estão estimados a perda de capital humano por mortes violentas, as despesas formal e informal de segurança privada, os gastos com seguros e o valor dos bens roubados e furtados.

A pesquisa também denuncia que nada mais que 28% das ocorrências criminais chegam ao conhecimento da justiça. Ou seja, a impunidade não é reservada aos nossos inocentes parlamentares, tem MUITO mais coisa que fica por baixo do tapete. Dava um mensalão por semana em cada buteco de esquina.

Ah, fiquei na dúvida agora. A pendenga do Renan Calheiros, a imprensa chama de Escandalo do Presidente do Senado, Caso Renan Calheiros, O golpe do Renan na filha, O coice nos bois, ou já criaram um nome mais carinhoso pra pulada de cerca do cara?

Opa, voltando... Essa pesquisa mostra o que todo mundo já sabe mas que agora virou números, dinheiro, que vaza pelos bolsos do Estado e das empresas. E aí amigo, você já sabe, mexeu no bolso (a parte mais sensível do corpo humano) a coisa dói. Vamos ver.

E o rico cada vez fica mais rico...

Ê musiquinha cretina. O Estadão mostra hoje uma matéria sobre o aumento do número de milhonários no Brasil. No ano passado a terra dos papagaios aumentou em 10,1% o número de pessoas financeiramente felizes.

Do outro lado estão os miseráveis. Números da Fundação Getúlio Vargas datados de 2005 indicam que a queda no número de pessoas extremamente-pobres-mesmo foi de 8%.

Agora vou embora, mas semana que vem eu volto, "que é pra acabar com este negócio de você viver sem mim", diriam Jobim e Vinicius.

3 comentários:

BruneLLa França disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
SYLVIAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
D VOLTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!
esse blog precisava d vc aqui, com seus textos fodas e suas visões a frente até mesmo dos pauteiros de economia dos jornais d todo país!
Sylvia é foda mesmo!

O "problema" da violência no país está diretamente ligado c as nossas desigualdades sociais. Embora mtos acreditem q é só mudar uma lei q tá td certo.
NÃO EXISTE UMA PANACÉIA P A SITUAÇÃO!
Ou encaramos d vez e nos concentramos em combater o problema desde suas causas, ou vamos ficar debatendo, debatendo e usando planos 'tapa-buraco', paliativos e não chegaremos nunca ao cerne da questão!

Qto ao caso Renan Calheiros: nunca uma pulada de cerca foi tão mirabolante na história recente desse país! (acho q conheço essa frase...)

Simone Azevedo disse...

que bom que a sylvia está de volta para por um pouco de seriedade nesse blog. depois que a brunella se ausentou e depois que eu começei a escrever besteiras em escala industrial, isso aqui virou a casa da mãe joana.

BruneLLa França disse...

Simone, escreva suas besteiras em escala industrial e edite num livro d auto-ajuda e garanta o sustento das Bernadettes!