quinta-feira, 14 de junho de 2007

*Patty Literária* por Gabi Zorzal

Antes só do que mal acompanhada

Vou ser obrigada a descordar da minha companheira de Blog, Venenosa. Em certas ocasiões é melhor uma péssima companhia que nenhuma. E o dia dos namorados se encaixa perfeitamente nisso. O dia foi tão horrível que eu deveria poupá-los, mas decidi compartilhar.
Na manhã do dia doze, me arrumei especialmente para o programa que faria - não que eu já tivesse decidido, mas eu sabia que um iria aparecer.
Às 9 horas da manhã o Marquinho me ligou. Me chamou para ir no cinema assistir Piratas do Caribe 3.
¬¬'
Minha resposta foi não, claro.
Esse é um filme para se ver com alguma amiga e comentar o quanto o Johnny Depp está pegável mesmo com dente podre e bafo de rum. Além do mais, ele nem beija tão bem assim...O Marquinho eu digo, não o Depp, que eu ainda não provei.
Então, às 11 horas o Edu me ligou. Me chamou para almoçarmos juntos para comemorar o dia do comércio criado pela sociedade capitalista. Minha resposta foi não. Dia dos Namorados com o melhor amigo gay não rola, né? E eu acreditava que um programa melhor apareceria. Além do mais o Edu não me deixa tomar refrigerante porque dá celulite.

Eu estava esperando a ligação do Dan. O top dos tops da minha vida. Ele ligaria com toda certeza.

Quando o celular tocou às 15:17 eu estava convicta que meu dia dos namorados estava garantido. Blusa preta ou tomara que caia azul? Eu teria que gastar meus neurônios
pensando naquilo o resto do dia. Me decepcionei.
Era o Douglas me chamando para comer um cachorro-quente a noite.
A única coisa que digo é: NUNCA.
Coisa mais brega.
E afinal de contas ele é namorado de uma amiga minha. Comer um cachorro-quente na esquina e ainda segurar vela é decadência total.

Às 16:48 meu celular emite um som. Mensagem!!!!!
Ahhh que fofo, o Dan ficou com vergonha de ligar e me mandou um torpedo.
Mas era só a vivo me informando que meu saldo estava acabando.
Eu odeio quando a vivo informa qualquer coisa.

A noite, quando eu já estava totalmente desiludida da vida e já tinha me entregado a leitura, resolvi ligar pra ele.
AAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH!
Alguém pode me explicar porquê nós nos submetemos a esse tipo de coisa?
Meu Deus! Eu sou a mais idiota do mundo.
Por que que isso tinha que acontecer comigo?!?!?!?!?!?!?!?!?!
Mas acho que todo mundo tem uma onda de loucura e faz uma besteira dessas alguma vez, né?!
O que eu ouvi foi:
- Pode me ligar amanhã, Patty?
- Certo, posso sim.
- Desculpa, é que estou um pouquinho ocupado com a Déb.
- Déb?
- Minha namorada. Nós estamos...
- Não, não! Me poupe de detalhes.

Fui pra minha cama e voltei a ler desejando uma má companhia ao menos.
¬¬'



Bjos da Patty.

3 comentários:

Simone Azevedo disse...

huahuahauhauahauh

Patty, a realidade é dura mesmo.
e a solidão péssima.

huahuahauhauahauha

sendo assim, qualquer pão com mortadela serve na falta de um saboroso x- tudo, né?

BruneLLa França disse...

"Os fracos odeiam a solidão. A mestra faz da solidão seu lar, sua fonte, sua mãe. Ela sabe que a solidão a torna uma só com o universo".
Lao Ma - aquela que é forte macia como a água e forte como a fúria da enxurrada.
Nemastê

Tasha! disse...

Muito foda, gabi